quarta-feira, 3 de abril de 2019

E a Bia, como está?





Muitas pessoas têm perguntado porque eu não tenho estado muito nas redes sociais e tenho escrito poucos artigos neste blogue.

Não é falta de assunto, antes pelo contrário. Desde que mudamos de casa, tenho sentido cada vez mais o quanto toda esta alteração do espaço renovou as nossas vidas.

Tenho muito que contar e escrever...

As obras na casa nova finalmente acabaram, mas as arrumações não. A par disso, no mês de fevereiro perdi a minha querida tia que morava perto dos meus pais e logo a seguir a minha grande amiga Milú que era um exemplo de superação para mim porque apesar de ser cega, ensinou-me que a falta de visão física não nos tira a autonomia.

Este luto que nos últimos tempos vivi, a par de toda a agitação que envolve limpar e arrumar tudo, mesmo assim, tento aproveitar todos os tempos livres para conviver com os meus gatos.

Neste momento também temos 3 galinhas: a Rosa, a Rita e a Coragem.

Também temos dois casais de canários e 3 agapornis.

Porém, toda esta dinâmica de aves e gatos não é estranho para a Bia, o Jordan e a Diana Riscas. Na antiga casa, sempre tivemos canários.

O problema é a Mariana.


Sim, a Mariana está agora uma gata muito ativa, cheia de vida, e muito… muito curiosa. Por isso, por mais que lhe peçamos, ela não deixa de subir até a gaiola porque é um instinto mais forte que ela.

São os seus instintos e a sua curiosidade.

Os agapornis, apesar de serem aves, têm um bico aguçado e pode realmente magoar os curiosos de quatro patas que se aproximarem deles.

Entretanto, ainda mantenho a Mariana separada dos outros três gatos por uma razão ainda mais forte. Ao fazer os exames, detectou-se que ela tem a Sida dos gatos. Ainda vai refazer o teste aos seis meses, mas entretanto, entrou em cio e terá de ser castrada ainda mais cedo do que se previa.


Já estive a ler muito sobre a Sida dos gatos, e há quem diga que as probabilidades de contágio são mesmo pequenas quando os gatos se dão bem uns com os outros e não há brigas e nem relações sexuais.

Mas prefiro ser cautelosa nestas coisas de probabilidades e estimativas.

A Mariana já nos adotou e tem de ter o seu espaço.


Por isso, o que tenho tentado nestes últimos meses é pensar numa alternativa de os manter separados, com toda a segurança.


Por isso, desculpo-me se tenho tido pouco tempo para escrever, mas penso que este blogue deve ser uma partilha de vida e não uma partilha de opiniões.

Desde que criei este blogue, o meu interesse é partilhar esta boa notícia de adotarmos um gato e ter um amigo para toda a vida.

É possível esta convivência entre os seres humanos e estes felinos que nos impressionam muito com a sua forma de nos amar.

Não podemos é desistir dos desafios da vida. O luto das pessoas que amamos chamam-nos a atenção para o quanto a nossa vida é passageira e só o amor é que transforma o mundo e constrói. De resto, tudo passa e nos é tirado, quando menos esperamos.

Então aproveitemos muito este momento para olhar quem está ao nosso lado, que nos olha e precisa de nós. É este quem deve ser o foco da nossa vida.

Até o próximo artigo e façam os outros felizes hoje!


Sem comentários:

Publicar um comentário